quarta-feira, 2 de março de 2011

02/03/2011

Hoje quis ser como tu

Não foi hoje a primeira vez que te vi mas foi nesta data que percebi ambicionar ser como tu.
Talvez te tenha olhado com vistas diferentes ou necessidades distintas, não tenho a certeza, o que realmente importa é que te olhei e quis ser tu.
Sossega que não quero roubar-te a identidade, tu tens por certo a tua história de vida, não sei se longa ou curta, e essa ninguém te pode roubar. A minha nunca a achei.
Tens também o teu grupo de amigos, estás rodeada por eles, partes com eles e com eles voltas. A este e a muitos outros lugares. Eu estou quase sozinho e contento-me em olhar-vos e em apreciar os vossos gestos de camaradagem e cumplicidade.
Eu também tenho amigos fiéis, dois, o papel e a caneta, mas eles nunca me levam a lugar algum, tenho eu de os carregar se quero companhia.
A eles confesso todos os meus pecados e mágoas e também eles são meus cúmplices. Um serve-me de ferramenta para que no outro deixe gravadas as minhas reflexões.
Mas hoje olhei-te e quis ser tu que não usas canetas nem papeis, que não tens eira nem beira, nem desesperos nem consumições. Não tens o que eu tenho e por isso és mais feliz.
Gaivota, hoje eu quis deixar de ser eu e partir contigo para onde tu fores.
Gaivota, hoje eu quis ser tu, simplesmente para ter asas e poder voar.

Nelson Ferreira

4 comentários:

maria disse...

Que bonito! Soube tão bem ler :)

memyselfandi disse...

maria, obrigada! Também gostei =)

NUXA disse...

Boa escolha! Gostei de ler.

memyselfandi disse...

Nuxa, fixe!