quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Numa acção de formação que tive há uns meses,

a formadora (Terapeuta Ocupacional) abordou o tema das férias e das folgas, informando os presentes de que uma sucessão de dias sem trabalho, não nos fazem nada bem, a nós, exímios trabalhadores. Parece que o regresso ao trabalho se transforma num processo de rentabilidade mais lento, logo, menos produtivo. Ou seja, levamos algum tempo a aquecer os motores e, consequentemente, a iniciar novamente a marcha. Nunca tinha pensado nisto sobre este posto de vista, mas achei que era capaz de fazer sentido. Ora, hoje que estou de volta ao árduo labor, garanto-vos que tenha ela razão ou não, não me importava absolutamente nada de recomeçar as mini-férias. Tenho para mim que ela faz férias no trabalho. Só pode.
Isto tudo para vos informar que estou de volta e que, tal como prometi, trago o relato ilustrado. Ah! Pois é! Já que o Porto chamou por mim, eu fui... ;)